[...] dos modos de existência como produção artística e tem como base as relações e suas reverberações, sejam nos projetos pessoais ou em parcerias com outrxs artistas.

 

A pesquisa se desdobra por linguagens 

diversas, híbridas.

 

Que se encontram no processo de criação e construção dos trabalhos, 

 

sejam secreções, como sangue; 

 

sejam ações: do corpo como ato; 

 

objetos; ou fotografias. 

 

Formando linguagem registro de minhas experiências de deslocamento e imersão. 

A performance é a pulsão do corpo revelada. E aparece como movimento vital do percurso. Chamo o que faço de práticas híbridas para cura... Despida, “sem peles e andrógino”.

 

PELOS [como ser mulher?], desde 2013

modos de existência / corpo como ato

8,5x12cm (documento original)

 

[ mãe, filha, urucum, colar de ossos, bracelete jibóia de cura Huni Kuin, rapé e vassoura de piaçava ]

 MÃE, 2019

performance | 40 min | com: Nazaré (mãe)

LAVRA 2019, Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

Ocupação da Praça Tiradentes 30/03/2019

Rio de Janeiro - RJ

Registro: Gabriel Vieira

-

40 x 60 cm em papel fotográfico

LAVRA 2020, Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica

15/02 à 28/03/2020

Rio de Janeiro - RJ

-

1,20 x 1,80 cm em adesivo de parede

MATERNAGEM (Exposição Individual)

19/01 à 27/02/2021

OC Alfredo Volpi, São Paulo - SP

  

Minha mãe trança meu cabelo. Minha mãe trança meu cabelo. Minha mãe trança meu cabelo. Tento me preparar. A vida deve seguir. Todo o deslocamento é a ação. Minha irmã morreu sem chegar a ser mãe, sem conhecer o Rio de Janeiro. Sempre pedi para não morrer por amor a minha mãe. Nunca pensei que ela fosse enterrar uma filha. A filha da minha irmã não nasceu, acho que por isso ela foi assassinada por ele. A arte gosta de falar sobre coisas grandes… Grandes acontecimentos da vida, social e política, daquilo que nunca cessa, daquilo que talvez sempre se repetirá?. Eu gosto de falar sobre coisas pequenas. Sobre o que um dia inevitavelmente irá acabar? Sobre o que muda quase nada... E ao mesmo tempo, isso é tudo. Tudo o que se pode dizer da vida é gesto, e é pequeno. Este é um trabalho sobre amor. É um trabalho sobre mãe, sobre cuidado. E eu o dedico a minha mãe.

 

[ as meias do enxoval de minha sobrinha em totem de madeira e acrílico ] 

À FILHA QUE NÃO CHEGOU A NASCER / PARA HELENA, 2019

objeto afetivo 10cmX10cm X 1.10alt

ABRAÇO COLETIVO | Curadoria: Paula Borghi

06/07 à 20/07/2019 

Ateliê 397, São Paulo-SP

-

MATERNAGEM (Exposição Individual)

19/01 à 27/02/2021

OC Alfredo Volpi, São Paulo - SP

 

meu luto luta

Chamamento... sabendo do agravamento da violência doméstica contra a mulher no período de quarentena.

Olá, meu nome é Bárbara Milano, sou irmã da Bia (Beatriz Milano). Que foi assassinada por seu então companheiro na cidade de Rondonópolis-MT, na noite do dia 23 para 24/11/2018. Bia estava grávida de 4 meses e meio. A bebê morreu com ela... Em meio a tamanha perda tenho feito de minha ação como artista minha luta. Recentemente fui chamada a integrar uma exposição coletiva na cidade de São Paulo e pensei em trabalhar áudios de vitimas de agressão que estejam vivas... Celebrando a fala! Pois sabemos, não é fácil comunicar esse lugar tão pouco desejado... o da vítima. Contudo, assumirmos esse espaço, não deve ser nossa diminuição e sim, nossa resistência guerreira e corajosa. Convido a todas que desejarem, me enviarem áudios sobre suas experiências em relacionamentos abusivos. 

A proposta consiste em dois áudios curtos:

- um áudio de 1 minuto com o relato do tipo de agressão que você vivenciou;

- um áudio de 1 minuto sobre ter conseguido sair dessa situação... 

Grata pela sua participa-ação. Nenhuma identidade será revelada. Enviar para o meu whatsapp (11) 99399-1658.

Parcipou da atividade on-line: Denúncia e elaboração da violência de gênero e doméstica por meio de processos artísticos. Coordenada pelo Grupo Maior que Eu, de 7/7 à 28/7, pela Oficina Cultural Alfredo Volpi. Com: Bárbara Milano, Cathe, Grupo de Estudos e Praticas de Toque e Cuidado, Flavia Lobo de Felício, Karlla Girotto, Moara Brasil, Nicole Aun, Raylander Mártis.

MEU LUTO LUTA | 2020 | som / relacional | em processo

 

Bárbara Milano e Francesca Lazzeri

SEM MEDO, 2018

fotografia/lambe-lambe/intervenção

15x21

Teresina-PI

Ph: Bárbara Milano

Fruto do processo de conviência durante a residência artística NOVE, conduzida por Francesca Lazzeri (It/Nl).  O lambe-lambe “SEM MEDO” foi um trabalho desenvolvido em co-autoria com a mesma, contando ainda com o envolvimento de todas as  participantes do grupo, ao todo éramos 12 mulheres de diferentes estados do Brasil, sobretudo do Piauí, o estado brasileiro com maior índice de femínicidio registrado no anterior à nossa residência. 

Ph: Maurício Pokemon

 por Nacional Trovoa na SP-Arte 365 

 SEM MEDO, 2018 | impressão em Fine Art 30x42

 
 

SANGRA SANGRE é um processo que desenvolvi entre 2010 e 2015 a partir da observação e experimentos que realizei com  meu sangue menstrual; Fiz cerca de 180 peças cerâmicas das quais chamei "vulvas". As peças viajaram comigo em processo posterior, sendo presenteada a mulheres durante conversas proporcionadas pelos encontros... Um trabalho de força, de silêncio mais do que palavras...

VULVAS [tempo de lua]   | 2011 |   instalação/site-specific

madeira, escultura cerâmica e sangue menstrual | L.O.T.E. | UNESP, São Paulo.

Da convivência e troca, a realização desse trabalho. Cujas fotos, são produto da entrega e busca de conexão com essa cultura milenar e sua cosmovisão ancestral. Os trabalhos rituais foram fotografados sob efeito conduzido da ayuasca, rapé, sananga e kambo - modos de cura tradicionais do povo Huni-Kuin (AC). Como aprofundamento deste processo, é realizado o projeto de Mestrado em Artes pelo  Instituto de Artes da UNESP-SP, “FOTOGRAFIA RITUAL”.

“EMULSÃO” HUNI-KUIN | 2017 | fotografia ritual | publicada na revista ABATE #4 2018

*Está obra foi vendida na SP-FOTO 2020 e 20% do valor, referente ao direito de imagem  foi, foi pago a FEPHAC

CURA | 2017 | fotografia ritual

Exposição virtual e internacional

ZONAS DE COMPENSAÇÃO 7.0  2020

e SP-FOTO 2020

Para entrar no site do evento clique aqui

Trecho da entrevista do Coletivo Trovoa à Kura Arte [set 2020]

 

Por Thais Teotonio

TT: Fale um pouco da relação da fotografia com a performance e/ou sobre seu projeto Fotografia Ritual. 

BÁRBARA MILANO /

Minha produção fotográfica acontece a partir da relação com a performatividade. O registro de trabalhos partindo da arte relacional, que realizei no início de minha produção, me levou a pensar a fotografia de modo que esta pudesse me grafar através da imagem do outro. Venho desde então costurando as linguagens. 


Em Fotografia Ritual busco um caminho somando essas vivências… Chegando a reflexão da fotografia em si como um rito, no que se refere a gestualidade de fotografar. Sendo neste caso, a relação com a ideia de rito (em si performática), intrínseca, já que se refere a fotografia realizada em situações rituais para consagração da ayahuasca, junto aos povos originários. A pesquisa que aprofundo com este projeto de mestrado se inicia em 2017, com o povo Huni Kuin (AC) junto a rede NIBU, grupo de estudos das ” plantas sagradas da floresta”, que atua também no intercâmbio técnico, tecnológico e cultural junto aos povos.


Em 2020 apresento registros do trabalho na exposição Zonas de Compensação, que terá sua primeira edição online, e, no seminário Emergências, dos alunos do PPG em Artes da UNESP.

 
 
Bárbara Jacqueline Soares Milano, 1987,
baseada em São Paulo, SP, BRASIL 

Fruto entre o preto, o branco e o ancestral da terra, Xucuru, de Pindorama. Nascida em Piracicaba, onde passa um rio... Vive e produz a partir da cidade de São Paulo e itinerâncias. A costura entre diferentes linguagens desafia a forma – do corpo como ato [performatividade] à fotografia como registro silencioso. Os trabalhos abordam questões de identidade; ancestralidade; espiritualidade e gênero. Seu corpo é suporte de vivências imateriais.

Atualmente é mestranda em Artes pela UNESP-SP com o projeto FOTOGRAFIA RITUAL; Pesquisadora no grupo de pesquisa cAt (ciência/Arte/tecnologia) IA-Unesp/CNPq; Residente do ateliê de Artemídia (fotografia) pelo programa L.O.T.E.. E, integra o coletivo Nacional TROVOA, participando do Viewing Room SP-Arte e SP-Foto 2020.

Bacharel em Artes Visuais pela UNESP-SP (2015). A conclusão do curso marca o início de seu processo com outras linguagens e produção com outres artistas/pessoas: uma residência no campus para a construção de uma kombi/casa, obra relacional, DISPOSITIVO EM MOVIMENTO (2014). Viajou por cerca de dois anos à base de trocas e contribuições para a realização deste trabalho, percorrendo cidades pelos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro; Participando de duas edições da "Virada Educação" (2014 e 2015) da cidade de São Paulo. A imersão em processos vêm sendo, desde então, modo de existência e produção de arte.
 
Em “Sta. Barbarhá Comércio de Arte”, exposta na 9ª Entre-Mostras da Fundação Cultural BADESC (Florianópolis-SC), percorreu as ruas da cidade de São Paulo e pontualmente outras cidades pelo Brasil vendendo suas fotografias imantadas (10x15cm), criando um fluxo constante de troca entre artista e público, trabalho que realizou entre 2016 e 2018; ano que conhece o Piauí para a realização das residências: Nove, de Francesca Lazzeri e Demolition Incorporada, de Marcelo Evelin, no CAMPO Arte Contemporânea (Teresina-PI); onde inicia sua pesquisa ritual BATE-FOLHA.

 

Em 2019 apresentou o trabalho de performance MÃE, atuando com sua mãe em uma ação na coletiva LAVRA 2019, que ocupou a Praça Tiradentes pelo Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (Rio de Janeiro-RJ). Expondo o registro do trabalho no ano seguinte, na LAVRA 2020, CMAHO (RJ). Fala um pouco sobre o processo no documentário AURORA (2019, 20’ min, Libertina Filmes). 

 

Concomitante ao seu processo, trabalha em parceria com outres artistas no desenvolvimento e [feitura] de projetos. Atua em oficinas e workshops como arte/educadora sobretudo no campo da fotografia.

EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS

2021_ MATERNAGEM | OC Alfredo Volpi, São Paulo-SP

EXPOSIÇÕES COLETIVAS

2020_ SP-FOTO | Nacional Trovoa | Viewing Room | MENINO OU MENINA?; CURA; EMULSÃO;

2020_ SP-ARTE | Nacional Trovoa | Viewing Room | PARA FICAR BELA; SEM MEDO.

2020_ EMERGÊNCIAS* | Viewing Room | FOTOGRAFIA RITUAL.

2020_ AI+ART | Universidade de Luxemburgo, Luxemburgo | CURA.

2020_ ZONAS DE COMPENSAÇÃO 7.0 | Viewing Room | CURA. 

2020_ AI+ART | Universidade de Luxemburgo, Luxemburgo | cAt - SOPRO; TOQUE.

2020_ ZONAS DE COMPENSAÇÃO 7.0 | Viewing Room | cAt - SOPRO; TOQUE.

2020_ FACTORS 7.0 | Viewing Room | cAt - SOPRO; TOQUE.

2020_ LAVRA 2020 | CMAHO, Rio de Janeiro-RJ | MÃE.

2019_ ABRAÇO COLETIVO | Ateliê 397, São Paulo-SP | À FILHA QUE NÃO CHEGOU A NASCER.

2018_ BUCÉTIKA - Encontro Transfeminista | Al Janiah, São Paulo-SP | PARA FICAR BELA.

2016_ 9ª ENTRE-MOSTRAS | Fund. Cultural BADESC, Florianópolis-SC | Sta. Barbarhá Comércio de Arte. 

2011_ L.O.T.E. | IA UNESP, São Paulo-SP | VULVAS.

 

PERFOMANCES

2019_ MÃE. 40min. LAVRA 2019 - Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Rio de Janeiro-RJ.

2018_ RITO. 30min. Espaço METÁFORA. Parnaíba-PI.

2018_ BATE-FOLHA. 30min. CAMPO Arte Contemporânea, Teresina-PI.

2017_ NU É CRU. 10min. Vão Livre do MASP. São Paulo-SP.

 

RESIDÊNCIAS

2021_ PIVÔ ARTE E PESQUISA 2021 | Catarina Duncan [Br]. PIVÔ, São Paulo-SP.

2020_ L.O.T.E. - Ateliê de Artemídia | Prof. Dr. Pelópidas Cypriano [Br], IA UNESP-SP.

2018_ NOVE | Francesca Lazzeri [It/Nl]. CAMPO Arte Contemporânea, Teresina-PI.

2018_ DEMOLITION iNCORPORADA | Marcelo Evelin [Br/Nl]. CAMPO, Teresina-PI.

2018_ CRIAÇÃO CORPORAL | Zé Reis [Br]. Espaço Balaio, Parnaíba-PI.

2015_ DISPOSITIVO EM MOVIMENTO | MOBA em Kombi-home, SP > MG > RJ.

2014_ DISPOSITIVO EM MOVIMENTO | TCC da Graduação em Artes Visuais |

               Ateliê de Marcenaria. Instituto de Artes UNES-SP.

 

PUBLICAÇÕES

2018_ Fotografia: “EMULSÃO” HUNI KUIN | Revista ABATE #4 – ISSN 2447­552.

 

OFICINAS / WORKSHOPS

2020_ Denúncia e elaboração da violência de gênero e doméstica por meio de processos artísticos

               Curadoria: Karlla Girotto [ G>E ] | Oficinas Culturais, via Google Meet. (4H)

2020_ Fotografia Móvel | Oficinas Culturais, via Google Meet. (6H)

2020_ Fotografia/Linguagem | Oficina Cultural Alfredo Volpi, São Paulo-SP. (20H)

2019_ A Fotografia Como Meio | Oficina Cultural Alfredo Volpi, São Paulo-SP. (20H)

2019_ Poéticas Visuais e Processo Criativo | Centro Universitário SENAC-SP. (4H)

 

ASSISTÊNCIAS / FEITURAS

2020_ Daniel Lie [Coord. de Pintura] “Filhes do Fim”. Solar dos Abacaxis. Rio de Janeiro-RJ.

2018_ Daniel Lie [Coord. de Pintura] “Filhxs do Fim”. Galeria Casa Triângulo. São Paulo-SP.

2018_ Daniel Lie [Coord. de Ateliê] “Leste a Leste - Centro de Morte para xs vivxs”.

               Poema Visual de Carmem Garcia. Via área, SESC Belenzinho. São Paulo-SP.

 
topo.jpg

© 2020 Bárbara Milano